Minha casa, Minha cara

Com fachadas de tijolo e grandes janelas, esta morada com quatro andares ocupa um terreno de escassos 42 m²

Cristiane Teixeira

Por: Cristiane Teixeira Fotos: Ossip van Duivenbode | MMM | Oppa

Pedalando por Roterdã, os arquitetos holandeses Nina Aalbers e Ferry in’t Veld, do Architectuur Maken, encontraram um pedacinho da terra desocupado entre construções de diferentes épocas. “Procuramos o governo local com um e-mail que questionava: ‘Podemos construir aqui?’ Em seguida tivemos a resposta: ‘Sim, por favor!’”, conta o casal no site de seu escritório.

O tal do pedacinho de terra é pequeno mesmo: tem 4,65 m de largura e 9 m de comprimento. Se não podia crescer no plano horizontal, a casa precisou crescer verticalmente, o que a levou a ficar com quatro andares, totalizando 120 m².

Cada andar se destina a uma função. No térreo, cozinha e sala de jantar são integrados em um espaço que tem, nos fundos, um microquintal. Aliás, você sabia que mesmo em um espaço compacto é possível ter uma horta vertical? O último andar foi reservado à sala de estar, enquanto os pavimentos intermediários trazem banheiro, escritório e quarto. Nada mais.

Como não há divisórias no meio de cada andar e a escada fica rente a uma das laterais da construção, as poucas janelas – porém grandes – acabam levando luz farta aos ambientes.

Os acabamentos não poderiam ser mais simples: paredes e piso de concreto aparente e, no banheiro, azulejos turquesa.

Mas é no revestimento das fachadas que surge a inovação do projeto pois, apesar de se parecerem tanto com os tijolinhos das construções vizinhas, os desta casa são feitos de uma mistura que não leva apenas terra e água. “Eles são formados de resíduos de construção, como vidro, cerâmica, vasos sanitários e telhas”, explicam Nina e Ferry, os primeiros a usar o revestimento fabricado pela startup StoneCycling.

Quinze toneladas de materiais que seriam jogados em aterros sanitárias foram reciclados e se transformaram em um novo produto, o WasteBasedBrick, totalmente afinado com o jeito lde construir na Holanda.

E sabe em quanto tempo a obra ficou pronta? Os arquitetos respondem: “O contratado começou a construir em março de 2016 e terminou em julho de 2016”.

Preciso falar mais alguma coisa?

Da arquitetura para a decoração

É a qualidade do traço arquitetônico simples que mais uma vez me inspira e me faz traçar um paralelo com móveis e acessórios que vestem a casa com muita eficiência.

  1. Escrivaninha Garbo, da MMM
  2. Sofá Vito, da Oppa
  3. Mesa lateral Pad, da Oppa
  4. Adega Lótus, da MMM
  5. Cadeira Poti, da MMM
  6. Tapete Teia, da Oppa

Deixe seu comentário ;)