Minha casa, Minha cara

Neste hotel na Índia, o objetivo é surpreender-se com a paisagem calma do Himalaia, acolhido por uma construção feita em patamares

Cristiane Teixeira

Por: Cristiane Teixeira Fotos: Akshay Sharma

É avassaladora a vista que se tem da cordilheira do Himalaia estando nos terraços, salas e quartos do The Kumaon, na região de mesmo nome. Uma profunda sensação de paz toma conta de mim ao observar a cadeia montanhosa a 300 km de distância do empreendimento no norte da Índia.

Com apenas dez suítes, o projeto idealizado pelo Kowa Architects, escritório do Sri Lanka, foi implantado em patamares esculpidos no terreno íngreme – do mesmo jeito que se planta na região. Assim, todos os hóspedes se beneficiam da vista e de privacidade.

Os materiais que dão personalidade e aconchego ao hotel de luxo são os mesmos que compõem as moradas simples dessa parte da Índia: pedra, bambu e madeira. Mas há também o aço, destinado a grandes estruturas em X.

Elas servem para armar o pavimento superior do prédio principal, com paredes de blocos e vidro envoltas por bambu, que ameniza o impacto visual da construção. O andar térreo é todo de pedra. A fórmula se repete nos chalés dos quartos.

Madeiras locais foram usadas para compor pisos, portas, janelas e móveis, feitos por carpinteiros também da região. Outros artesãos se dedicaram aos acessórios de pedra e cobre e à confecção das roupas de cama.

“No geral, nossa tentativa foi destacar a deslumbrante paisagem natural e focar nas vistas da montanha, ao mesmo tempo em que prestamos homenagem aos materiais, tradição e cultura locais”, declararam os arquitetos em um comunicado.

Da arquitetura para a decoração

Gostei demais deste projeto! Mas o encantamento veio dos detalhes, a começar pela transparência que a fachada coberta de varas de bambu demonstra quando a tarde cai e as luzes são acesas. Aliás, é nesse momento que a estrutura metálica em X se destaca, seduzindo com toda a sua simplicidade e força. Nas peças selecionadas abaixo, vejo um pouco de cada uma dessas características.

Rack Panteon, da Oppa; a frente vazada deixa passar luz, assim como o envoltório de bambu

Aparador Dueto, da MMM; o X se repete, ora puro ora estilizado

Abajur Cipó, da MMM; a escala é diferente, mas a textura produzida pelo cipó é semelhante à das varas de bambu.

Aos meus olhos, os três móveis a seguir parecem trazer uma série de X incompletos:

  1. Estante Adega, da Oppa
  2. Banco Tatu, da Oppa
  3. Rack Trapézio, da MMM

Comentários não estão permitidos.