Minha casa, Minha cara

Chama-se Under o restaurante mais falado no momento. Não pela gastronomia, mas sim pelo endereço: um invólucro de concreto mergulhado no litoral da Noruega

Cristiane Teixeira

Por: Cristiane Teixeira Fotos: André Martinsen, Inger Merie Grini/Bo Bedre Norge, Ivar Kvaal, Stian Broch e Reuters

Quando abriu ao público, em 2 de abril, o Under já tinha reservas esgotadas até setembro. O chef Nicolai Ellitsgaard promete uma culinária inventiva, rica em ingredientes locais, como exóticos caranguejos e lagostas.

Por mais surpreendente que seja a comida, no entanto, nada causa tanto assombro quanto a construção parcialmente submersa. Ou quanto a janela de 11 x 3 metros que coloca cara a cara seres humanos e marinhos. É a curiosidade de se sentar à mesa 5,50 metros abaixo da superfície do mar que está garantindo casa cheia nas quatro noites de funcionamento semanal do restaurante.

Criado pelos arquitetos do escritório norueguês Snohetta, o Under é uma estrutura de 1600 toneladas de concreto. Suas paredes, levemente arqueadas nas bordas, têm 50 centímetros de espessura, enquanto a janela mede 30 cm. Só assim para resistir à tremenda pressão exercida pelas águas turbulentas da costa acidentada do sul da Noruega.

Em entrevista à CNN, o arquiteto Rune Grasdal conta que foi longo o percurso até o desenho definitivo. “Inicialmente, passávamos muito tempo em projetos muito complicados. Mas, depois, acabamos fazendo as coisas de modo bem mais simples. É apenas um tubo de concreto que traz as pessoas da terra até o mar. Quando chegamos a essa conclusão, foi um alívio.

Janela para a vida marinha

O aeroporto mais próximo está a cerca de 70 km. A capital, Oslo, a cinco horas de carro. Até hoje, quem visitava a pequena comunidade de Baly queria apenas desfrutar de um verão calmo. Era gente que chegava das maiores cidades do país em busca do cenário natural.

Tudo isso deve mudar, já que o Under espera receber turistas do mundo inteiro em seu espaço de 495 m². Pessoas que podem pagar pela viagem e por um menu de aproximadamente R$ 1 mil. Em troca, desejam não apenas um jantar memorável, mas também a visão de focas, cavalas, ouriços, patos e companhia.

Para tanto, luzes externas são estrategicamente posicionadas a fim de atrair os animais, enquanto as internas são dimerizadas para ajustarem-se às condições da iluminação natural. E a janela é frequentemente limpa por mergulhadores.

Mas só ela, porque a intenção é que o casco de concreto aos poucos cubra-se de algas e mexilhões e funcione como um recife artificial de corais – como acontece com embarcações que naufragam. Aí certamente mais e mais espécies se aproximarão em busca de alimento.

Por essa razão, os donos do Under pretendem que o empreendimento também funcione como um centro de pesquisa marinha. E afirmam que disponibilizarão a equipes interdisciplinares de pesquisadores as ferramentas de medição instaladas dentro e fora do edifício. Assim os estudiosos poderão documentar a população marinha, observar seu comportamento e conhecer melhor a diversidade de espécies na vizinhança do restaurante. 

Mas só ela, porque a intenção é que o casco de concreto aos poucos cubra-se de algas e mexilhões. Aí certamente a estrutura ficará mais parecida com um maciço rochoso que emerge das águas.

Materiais e cores internos dialogam com o exterior

Erguida acima das pedras, uma passarela de aço de 12 metros dá acesso à entrada da construção. No hall, as paredes de carvalho lembram a arquitetura de um barco e fazem a transição para o interior.

A ideia era ter um gradiente de cores”, explica a arquiteta de interiores Heidi Pettersvold Nygaard. “Um gradiente começando no alto com os matizes claros e chegando aos mais profundos no fundo do mar.

Assim, a escada para o mezanino leva a um bar de champanhe em tons quentes de rosa e laranja, que evocam conchas e a areia da praia. Uma janela lateral estreita reforça a intenção, pois fica metade acima, metade abaixo da linha d’água.

Continuando na escada, descortina-se o palco principal do espetáculo, a sala de jantar e seu imenso visor transparente. Ela tem painéis acústicos em azul e verde que se inspiram no mar agitado e em algas marinhas. O que sugerem, porém, é uma sensação de serenidade. “O que eu acho importante é a atmosfera calorosa. Você tem esse forro de tecido, materiais naturais como o carvalho, boa acústica e iluminação. Tudo isso junto cria um clima agradável”, diz Rune Grasdal.

Entenda como o restaurante foi construído

A fundição do tubo de concreto aconteceu em uma barcaça a 20 metros do local de instalação do Under. Então ele foi preenchido com água para afundar mais facilmente, inclinado em um ângulo de 20 graus. Esse procedimento também permitiu o ajuste perfeito de todas as partes da estrutura.

Rebocada até o endereço definitivo, a estrutura foi presa a uma laje de concreto ancorada no leito rochoso. Depois de ser drenada a água, foi realizado o acabamento interno e a montagem dos espaços. Só então o Under se transformou no Under.

Da arquitetura para a decoração

Desta vez, a inspiração para a minha seleção de peças vem do gradiente de cores que o projeto do Under proporciona. Lindo demais, não?

Sofá Oásis azul, de três lugares, da Meu Móvel de Madeira

Tapete Espaço azul, de 1 x 1,50 m, da Meu Móvel de Madeira

Cadeira Rosini laranja, da Oppa

Banqueta alta Domingos, no tom turquesa, da Oppa

Adesivo de parede Minerva, rosa, da Oppa

Puff Pitanga laranja, da Oppa

Deixe seu comentário ;)