Minha casa, Minha cara

Esta construção de dois andares tanto pode ser alugada para a moradia de uma família como pode ser a garagem da casa principal, na outra ponta do terreno

Cristiane Teixeira

Por: Cristiane Teixeira

Da rua, o endereço parece um galpão. Tem fachada de metal ondulado preto, janelas na porção superior e porta de garagem que se abre para cima. Mas uma portinha estreita, em um dos cantos, faz suspeitar que estamos diante de algo diferente. De fato, a construção em Carlton North, na Austrália, pode ter a função que seus donos quiserem – quando quiserem. Isso porque foi planejada pelo escritório Foomann Architects para ser totalmente flexível no uso, como os clientes indicaram.

Acostumado a morar com outras pessoas, quando comprou a própria casa, o jovem casal não quis abrir mão do estilo de vida em comunidade que levava há tantos anos. Consequentemente, decidiu aproveitar os fundos do terreno – que dá para outra rua – para erguer uma segunda casa. Com 99 m² e separada da construção principal pelo jardim compartilhado, ela é perfeita para ser alugada a amigos.

Se um dia for preciso dar mais privacidade a cada morada, o próprio paisagismo pode se encarregar da função. É só plantar espécies apropriadas a cercas naturais junto à mureta de arenito que forma um degrau alto no centro do quintal.

Também existe a possibilidade de os proprietários se cansarem desse jeito de viver. Ou pode ser que, ao terem filhos, sintam a necessidade de mais espaço e de contar com um carro. Se isso acontecer, a garagem já está pronta, no térreo da segunda construção. Outra opção de uso para esse pavimento, segundo os arquitetos Jamie Sormann e Jo Foong, é como estúdio de trabalho.

Inteligência na obra e no uso da casa

Embaixo, uma pequena cozinha agrega funcionalidade ao espaço único, hoje decorado como uma confortável sala. Mas uma sala onde uma moto estaciona junto à porta de garagem, ao lado da mesa de jantar. Já que a ideia é ter um espaço de uso flexível, todo o mobiliário é solto.

O que a fachada da frente tem de reservada, a dos fundos tem de hospitaleira. Ali, caixilhos envidraçados autorizam a entrada de luz natural e integram o ambiente social ao jardim. A ventilação cruzada aparece quando se ergue um pouquinho a porta da garagem.

Já o andar superior reúne banheiro, armários e um quarto que pode ser transformado em dois – basta acrescentar uma divisória de drywall.

Fazer uma obra econômica era requisito dos clientes. Por isso os arquitetos propuseram erguê-la com estrutura de madeira reciclada. Escolheram um tipo de eucalipto extremamente duro comum na Austrália, o eucalipto paniculata, também presente no Brasil.

As paredes que formam os muros laterais levam tijolos, também usados. Pintados de branco, eles contrastam com as chapas metálicas pretas que revestem frente e fundos. Um painel de policarbonato translúcido, instalado na fachada de trás, compõe a varanda dos quartos.

A parede limite angular aponta para a entrada interna e mitiga a massa da edificação”, explica o time do Foomann. “É também um bom elemento gráfico que reduz o volume inutilizável acima da escada.

Por fim, veja um vídeo da obra feito pelos arquitetos.

Lygon Timelapse Walkthrough from Foomann Architects on Vimeo.

Da arquitetura para a decoração

#1 Junte quatro Cadeiras Melissa de couro preto (Oppa), uma Mesa Mezuri branca (MMM) e uma Cristaleira Garbo (MMM) para a sua sala de jantar ficar entonada com a casa da Austrália.

#2 Aprimore o mix acrescentando ao estar um Rack Iberê (Oppa), um Sofá Afago (MMM) e uma Mesa Lateral Gemini (Oppa).

#3 E não se esqueça dos complementos: Tapete Argola (MMM), Luminária de Piso Orfeu (Oppa) e Biombo Elástico (MMM), se quiser fazer uma separação tênue entre o estar e o jantar.

Comentários não estão permitidos.