Minha casa, Minha cara

Hoje eu conto quais os principais cuidados que você deve ter ao organizar suas garrafas

Micaela Góes

Por: Micaela Góes Foto: MMM | Art des Caves

adega compacta charme

Há poucos dias uma seguidora do Minha Casa, Minha Cara escreveu pedindo dicas sobre como manter garrafas de vinho em casa. Pedido feito, aqui vão as orientações!

  1. As garrafas devem ficar em um local escuro.

Certo! Os raios solares e a luz forte de lâmpadas são prejudiciais ao vinho e podem alterar não apenas a cor da bebida como seu aroma e sabor. Por isso escolha um cantinho menos claro para a sua adega ou mantenha as garrafas dentro de móveis fechados.

Para quem opta por bufês ou cristaleiras, uma forma de deixar as garrafas em segurança é em suportes como o Porta-Garrafas Legno, da MMM. Cada kit acomoda 14 garrafas, mas você pode empilhar dois deles ou mesmo posicioná-los lado a lado.

porta vinho legno cru

  1. A despensa e a lavanderia são bons lugares para guardar os vinhos.

Errado! Esses locais estão sujeitos a tudo quanto é tipo de cheiro, e os odores, se penetrarem as rolhas das garrafas, podem modificar a bebida.

 

  1. Melhor armazenar as garrafas na sala do que na cozinha.

Certo! A cozinha está entre os piores ambientes para isso, pois o calor do fogão e do forno provoca muita variação de temperatura, algo que é péssimo para os vinhos. A temperatura ideal para preservá-los é 12 °C, mas eles aguentam até uns 24 °C. Só que, seja lá qual for a temperatura, ela deve ser o mais estável possível. Ou seja, nada de 12 °C hoje e 18 °C amanhã.

Na sala é muito mais fácil a gente ter um cantinho apropriado. Sem contar que a adega pode incrementar a decoração, como nas fotos abaixo.

A primeira mostra o Rack 2 Gavetas Dueto, com um compartimento perfeito para empilhar os vinhos.

A segunda traz um móvel que eu adoro, a Adega Bar Charme, no tom amarelo retrô. Além de acomodar até 12 garrafas, esse modelo oferece espaço para taças e copos. É uma maravilha ter tudo junto, não?

rack 2 gavetas dueto

adega bar charme

Na foto que abre este post, você vê uma versão mais compacta desse modelo, a Adega Compacta Charme, ali usada como um par, formando um móvel de apoio na sala. Uma prateleira para taças arremata o cantinho.

  1. Adegas climatizadas são melhores que adegas sem refrigeração.

Depende – e muito! Por um lado, elas asseguram temperatura constante, mas, por outro, consomem energia elétrica e te deixam na mão quando quebram. Outro ponto a considerar é o sistema de refrigeração dos equipamentos. Entre os que usam compressor de ar, vários vibram bastante e essa vibração pode estragar os vinhos. Fora aquele barulho incômodo no meio da sala, né?

Já as adegas que contam com um negócio chamado trocador de calor não funcionam tão bem em países quentes como o nosso: quando a temperatura ambiente ultrapassa os 25 °C, esse sistema se torna ineficaz.

E tem outra questão: não é porque é guardado em um equipamento climatizado que o vinho está na temperatura certa para ser bebido. Se ele for branco, rosé ou espumante, será preciso resfriá-lo na hora de servir, na geladeira mesmo ou em um balde com gelo.

Depois de tudo o que li a respeito, concluí que só vale a pena ter uma adega climatizada se ela for da melhor qualidade, o que significa um investimento alto, de pelo menos uns 3.000 Reais. Achou muito? Pois saiba que existem adegas domésticas para muito mais de 20.000 Reais!

adega basique

  1. A qualidade do vinho aumenta com o tempo de guarda.

Quase sempre esta afirmação é completamente errada! Somente os vinhos de altíssima qualidade e muito caros podem ficar melhores com o tempo – são os chamados vinhos de guarda. Mas, convenhamos, são poucos os seres humanos que têm dinheiro para pagar por esses rótulos, né? Ou seja, os vinhos que a gente bebe no dia a dia não devem ser armazenados por mais que dois ou três anos: depois disso, eles vão virar sabe o quê? Vinagre!

 

  1. Garrafas de vinho devem ser mantidas na horizontal.

Certo, mas… Até pouco tempo atrás, essa era uma regra indiscutível, mas hoje já há pesquisas que a colocam em xeque. O que está em questão é a quantidade de oxigênio que entra na garrafa dependendo se ela está deitada ou de pé. Mas tudo depende também se a rolha é de cortiça ou sintética ou mesmo se a tampa é de rosca. Como existem pontos positivos e negativos em todas as situações, eu fico com a recomendação tradicional e deixo meus vinhos repousarem deitadinhos.

Aprendeu tudo? Então celebre com um vinho e uma boa companhia!

Até a próxima!

Beijos,
Mica ♥

 

Já conhece o blog da Micaela? Espie aqui!

Comentários não estão permitidos.